Sífilis: doença silenciosa

A sífilis pode não ser percebida pelo paciente, que a transmite sem saber; a incidência de casos tem aumentado no Brasil Uma feridinha que passa despercebida pode ser o sinal de sífilis, doença sexualmente transmissívelque pode causara morte e tem crescido no Brasil.

“Esse aumento provavelmente se deve ao não uso de preservativo, por relaxamento dos cuidados da população e pela redução de campanhas de orientação e de importância dos cuidados”, explica Cláudio Roberto Gonsalez, infectologista do Hospital Villa-Lobos.

De acordo com o Boletim Epidemiológico de Sífilis 2015,foram 21.382 grávidas diagnosticadas em 2013, sendo 1.863 em 2005 —elas têm de fazer o exame durante a gestação. Já as outras pessoas, por não desconfiarem da doença, não fazem testes nem buscam tratamento. “A bactéria causadora, a treponema pallidum, pode permanecer por décadas no corpo de uma pessoa, progredindo para estágios mais avançados, sem despertar muitos sintomas”, diz Mário González, presidente do Departamento de InfectologiadaAPM (Associação Paulista de Medicina).

O tratamento da doença é feito com penicilina. Quanto antes a sífilis for descoberta, menor a probabilidade de sequelas para o paciente. “As lesões no coração e no sistema nervoso central param de progredir, mas os danos permanecem”, descreve González.

Estágios da doença

Sífilis primária

  • Ferida no local de entrada da bactéria (pênis, vagina, ânus, boca etc.). Tem a base dura e, em geral, não contém pus. A lesão desaparece espontaneamente em semanas, mas a sífilis continua evoluindo. Podem surgir caroços na virilha
  • Aparece entre dez e 90 dias após a exposição sexual. Não dói, não coça e não arde.

Sífilis secundária

  • Manchas e feridas no corpo, principalmente nas palmas das mãos e nas plantas dos pés. Pode causar febre, caroços e dores.
  • Os sinais aparecem entre seis semanas e seis meses após a ferida inicial. Não coça.

Sífilis latente

  • Não há sinais ou sintomas.
  • É dividida em sífilis latente recente (menos de um ano de infecção) e sífilis latente tardia (mais de um ano de infecção).
  • Aparece entre a secundária e a terciária, mas o período é bastante variável.

Sífilis terciária

  • Pode surgir de dois a 40 anos após o início da infecção.
  • Costuma apresentar lesões cutâneas, ósseas, cardiovascülares e neurológicas, podendo levar à morte.
Hospital Villa Lobos - Doenças Silenciosas

Fonte: Cláudio Roberto Gonsalez, infectologista do Serviço de Controle de infecções Relacionadas á Assistáncia â Saúde doHospital Villa-Lobos; e Mário González, presidente do Departamento de infectologia da APM (Associação Paulista de Medicina)

 

Por Laís Oliveira